Vipassana: Dez dias sem falar e meditando 12 horas por dia

2015-08-31 17.15.20

Dormitório com acomodações bem simples

Alguém já ouviu falar num curso de meditação chamado Vipassana? Uma técnica milenar que foi resgata pelo Buda e tem ajudado muitas pessoas pelo mundo, inclusive já foi utilizado em prisões da Índia, EUA e Taiwan para melhorar o comportamento dos detentos.

Parece uma coisa meio extrema e realmente é, 10 dias sem falar e meditando mais de 12 horas por dia, sem poder ler ou escrever, sem saber as horas e vivendo da caridade dos outros. Mas vale muitíssimo a pena, um tempo para você com você mesmo e o que você “aprende” te ajuda a lidar com os desafios da vida.

Já li vários textos de quem já fez e as dificuldades variam muito, a minha nem foi tanto o fato de não falar, disso eu até gostei, 10 dias silenciosos, focando na minha respiração e nas sensações do meu corpo, o que foi mais difícil mesmo foi aguentar a dor física e “disciplinar” minha mente a não fugir de mim enquanto eu estava no meio da meditação rsrs. É incrível como nossa mente é maluca e conseguimos pensar em 1 milhão de coisas em 5 segundos e focar na respiração que é bom, nada!!!

2015-08-31 17.16.15

Refeitório

Nos primeiros dias de meditação você deve focar na sua respiração, e tudo o que a envolve, sentir o ar entrando e saindo e fazer isso por horas e horas, o próximo passo é sentir tudo o que acontece com o seu corpo, todas as sensações, frio, calor, coceira, dor, tudo, e passar “um pente fino” dos pés à cabeça. O princípio do Vipassana é aprender que nada na vida é permanente e que tudo é temporário, aprendendo isso com uma simples coceira no nariz você conseguirá superar muitos daqueles sentimentos de dor e tristeza e o mesmo vale para os “cravings”, nossos desejos, quando criamos um desejo/expectativa muito grande por algo, se não conseguimos ficamos tristes e decepcionados, levando-nos a um estado de miséria do ser, e é ai onde o Vipassana te ajuda, a equilibrar todo esse turbilhão de sentimentos e manter uma mente equânime durante essa jornada que é a vida.

Vou confessar, no começo estava me sentindo frustrada (olha as misérias ai) por que não conseguia me concentrar e sentir minha respiração e meu corpo doía muito de ficar sentada tanto tempo, vivia com sono e fome (acordávamos as 4 da manhã e a última refeição oficial era ao meio-dia, depois só um chá com 3 ou 4 bolachas à tarde), mas com o passar dos dias fui me acostumando e conseguindo realizar as meditações com mais facilidade.

2015-08-31 17.16.08

Comida típica nepalesa servida durante o Vipassana

O terceiro passo depois de passar o “pente fino” nas sensações do seu corpo é tentar controlá-las, controlar a coceira dos mosquitos que me atacavam, controlar a dor nas costas, controlar a fome, afinal, pra que sofrimento se nada dura pra sempre? É difícil, claro que é difícil e o único que conseguiu esse feito foi o Buda, atingindo o Nirvana e eliminando todos os desejos e medos que o cercavam. Levando a técnica pra nossa realidade, acho que o ideal não é ser como ele, afinal eu ainda amo comer doces, tenho alguns vícios e sei que tudo isso são desejos que me levarão a um estado de miséria, mas acho que saber identificar seus medos e desejos, focá-los e ter sempre em mente a impermanência de tudo na vida, acho que esse é um bom começo para uma mente equânime.

2015-08-31 17.16.22

Sala de meditação – Homens sentados do lado direito e mulheres do lado esquerdo

Eu fiz meu primeiro Vipassana em Catmandu, no Nepal, país onde o Buda nasceu e com certeza realizarei meu próximo em São Paulo, foi muito enriquecedor em todos os sentidos. O Vipassana é bom para todos, independente da religião, não há nenhum tipo de apologia ao Budismo, o que existe são ensinamentos que te orientam a lidar de forma mais racional com suas emoções, te ajudando assim, a seguir em muitos desafios do dia a dia.

O curso é totalmente gratuito, uma doação pode ser realizada no final, caso queira, para custear o curso para outras pessoas, assim como alguém o fez para você.  Dessa forma não existe “direitos” em exigir ou reclamar, afinal, tudo que está usufruindo provem de doações. Ao se inscrever para o Vipassana você já começa a praticar o desapego, compaixão e gratidão ao próximo.

O link abaixo é um vídeo do TED de uma mulher que fez o Vipassana e acabou criando um documentário sobre essa incrível técnica, vale a pena assistir!

https://www.youtube.com/watch?v=ixu4Kd5R1DI

2015-08-31 17.40.00

0 comentários sobre “Vipassana: Dez dias sem falar e meditando 12 horas por dia

  1. Débora Rita

    Bruna, estou amando ler todas suas experiências! Essa em especial tocou o coração! ❤

  2. Pingback: 7 coisas que aprendi viajando o mundo | BruMundando