Outros jeitos de usar a boca – Leia esse livro pra ontem!

Se você ainda não leu o Outros jeitos de usar a boca, vá agora numa livraria, baixe o pdf, sei la, se vira, mas leia esse livro agora!

O mundo deveria conhecer essa obra prima da poesia, mas não é qualquer tipo de poesia não! A Rupi, a autora, escreve de um jeito diferente, sem versos ou rimas, ela escreve umas verdades que nos fazem pensar e repensar em muita coisa.

São poesias curtinhas e outras mais longas, às vezes de 2 linhas, mas são frases com tanto significado, que realmente  conseguem nos tocar. Sem contar que é daqueles livros que hoje você lê uma página e não dá tanta importância, mas amanhã cai como uma luva, basicamente um livro para todas as etapas da vida!

Eu não li o Milk and Honey (título original em inglês), eu devorei!!! Infelizmente não é meu livro de cabeceira ainda porque eu li no Kindle. Uma das desvantagens de se morar no interior da Bahia é que o frete para cá é mais caro que o livro… Mas olha, quem vier para Itacaré, estou aceitando a versão impressa desse queridinho <3! rsrs

Sem spoilers, mas vou compartilhar algumas curtinhas que eu mais gosto…

“Eu sou um museu cheio de quadros, mas você estava de olhos fechados”

“Quero pedir desculpas a todas as mulheres que descrevi como bonitas, antes de dizer inteligentes ou corajosas. Fico triste por ter falado como se algo tão simples como aquilo que nasceu com você fosse seu maior orgulho quando seu espirito já despedaçou montanhas. De agora em diante vou dizer coisas como você é forte ou você é incrível, não porque eu não te ache bonita, mas porque você é muito mais do que isso”

“A deusa entre suas pernas faz as bocas salivarem”

“A solidão é um sinal que você está precisando desesperadamente de si mesma”

Outros jeitos de usar a boca está dividido em 4 partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura. A Rupi (minha brother já rsrs) caminha pelos mais variados sentimentos e emoções, desde a relação pai e filha, amor próprio, maternidade, até o “casamento”. A crítica diz que é um livro feminista e que a autora é feminista… São tantos rótulos do feminismo que nos induz a julgar algo ou alguém sem conhecer ao certo.

Falar abertamente do prazer e do coração de uma mulher, é sempre feminismo? 

Devorem o Milk and Honey e me contem o que acharam!